Por Diário do Centro do Mundo 


Nascido em berço de ouro
Educado dos 6 aos 16 por freiras carmelitas espanholas
Andou de busão pela primeira vez aos 18
Até quase 30 não sabia o que era um pobre
Idolatrava o pai, um professor apoiador da ditadura e militante do PSDB

Para fazer um perfil do juiz Sérgio Moro destaquei dois repórteres durante 70 dias,  entre julho, agosto e outubro. Nós percorremos Maringá, Ponta Grossa e Curitiba entrevistando amigos e familiares: tudo olho no olho, nada de email ou papo por telefone.

A maioria das pessoas próximas dele estava preparada para manter silêncio até sobre informações banais como o resultado do teste do pezinho – a mãe não queria comentar nem se ele nasceu de parto natural ou cesárea.

O objetivo da reportagem era identificar as origens familiares, apurar quais experiências de vida moldaram o homem sob a toga – e se possível, qual a orientação política dele, já que suas sentenças, todas supostamente técnicas, abalaram a política nacional.

Diferentes repórteres falaram com a mãe, o irmão, um tio, o padrinho de batismo, ex-colegas e ex-professores das duas primeiras escolas (Santa Cruz e Gastão Vidigal), da turma de 1995 (a dele) da Faculdade de Direito da Universidade Estadual de Maringá (UEM), o único patrão de seu emprego anterior ao concurso para juiz (o advogado Irivaldo Joaquim de Souza) a turma do Country Club de cidade natal, juízes, advogados, promotores, assessores de imprensa do Judiciário, seus alunos na Universidade Federal do Paraná e uma trinca de amigos inseparáveis com quem ele confidencia tudo.

Moro raramente dá entrevistas. Ele dificulta qualquer investigação sobre sua vida privada, revelando uma obsessão pelo impossível: manter-se fora da mídia, num momento em que todos os holofotes estão voltados para seu gabinete.
Amigos e familiares admitiram estar orientados para manter silêncio. Aqueles que falam qualquer coisinha recebem broncas.

A um juiz federal ele pediu para retirar fotos do Instagram onde aparecia de camiseta vermelha e tomando cerveja. E conseguiu deletar a maioria das fotos antigas – a que ilustra esta reportagem é do álbum de uma colega de faculdade não alcançada pela vigilância dele.

Sérgio Moro não quis nos dar entrevista, apesar de insistentes pedidos. Ele disse a amigos que quer se manter acima de tudo o que considera mundano: não fala de suas camisas pretas, de seus hobbies, de seu marca predileta de charutos e nem dos vinhos preferidos – ele se isola em casa, no condomínio de um amigo juiz em Maringá ou num ambiente exclusivo de um shopping de Curitiba para curtir vinhos & charutos longe dos paparazzi.

Até onde foi possível apurar ele faz isto não porque tenha algum esqueleto no armário.
Parece que o faz para copiar o estilo do pai, Dalton.
Este foi descrito por amigos como tendo sido um homem discreto, modesto, eficiente, legalista, focado na família e no trabalho de professor – no cemitério local tudo o que está escrito sobre ele cabe em meia linha: “Dalton Áureo Moro 1934-2005″.

Dalton Moro, o pai: o modelo para o filho
                                   Dalton Moro, o pai: o modelo para o filho

Um personagem verdadeiramente modesto que trombou de leve com o juiz Moro nesta jornada dele em busca de zerar tudo o que foi antes de assumir a 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba é o porteiro Edson Gerônimo de Souza – e o pequeno incidente dá a dimensão da obsessão de Moro com sua privacidade fora do gabinete.

Edson trabalha no edifício da mãe de Moro, dona Odete, em Maringá. Ele se diz fã do juiz, a quem via apenas pela câmera de vigilância do elevador.
Em junho, Edson criou coragem e pediu para dona Odete para tirar uma selfie com o filho famoso.
Numa das visitas dele, dona Odete ligou pelo interfone para Edson: “Se você quer uma foto com ele, venha imediatamente”.

Souza disse que “na hora, fiquei arrepiado”. Sem querer perder a oportunidade, subiu correndo, entregou seu smartphone para Odete, abraçou o juiz e sorriu para a foto.
“Só tive tempo de mostrar para minha mulher e minha cunhada”, disse o porteiro, dias depois. É que na semana seguinte ao episódio a síndica do edifício o chamou e ordenou que deletasse a foto – pressionado, ele apagou tudo da memória do telefone.

Dias depois, dois homens, supostamente agentes federais, o procuraram para saber se ele ainda tinha a foto. O porteiro estava assustado: “Me disseram que pode ser perigoso”.
Seguindo instruções do filho, Odete fala pouco – a um dos repórteres que a procuraram ela se justifica com o mesmo argumento do porteiro: “Sérgio corre perigo”.

Numa conversa, deixou escapar um importante traço da personalidade do filho – a profunda ligação que ele tinha com o pai, descendente de imigrantes italianos.
Para um trabalho completo, o ideal seria confrontar Sérgio Moro com o conteúdo apurado com tantas e tão diversas fontes, até porque muitas delas pediram anonimato.

Mesmo assim ele se recusou a falar. Os assessores dele na Justiça Federal fazem chacota dos interessados em entrevistá-lo. Nos primeiros pedidos eles já dizem que ninguém conseguirá, exibindo centenas de solicitações arquivadas. Submetidos a um ritual de emails e telefonemas, os jornalistas logo percebem que os assessores estão lá apenas para enrolar.

Moro diz que costuma falar nos autos, isto é, através das sentenças. Outra razão pela qual ele não fala pode ser explicada pela mãe. Dona Odete disse que “ele tem uns amigos jornalistas na Folha, na Veja e no Globo para quem dá entrevistas quando quer” – argumento que ela usou para desencorajar minha equipe de tentar falar com ele.

Tratamento VIP na Veja, "onde tem amigos"
                       Tratamento VIP na Veja, “onde tem amigos”

Uma repórter tentou se aproximar do juiz em dia 4 de agosto, assistindo uma aula dele na Universidade Federal do Paraná.
Naquele dia o professor Sérgio Moro entrou na faculdade sete minutos atrasado para a aula das 20h15, da quinta fase da cadeira de Direito Processual II.

Cumprimentou o segurança da empresa terceirizada Poliservice e subiu as escadas até a sala, chegando às 20h22. Cerca de 100 alunos o esperavam.
O professor Moro trajava terno preto, gravata vermelha e camisa branca, impecável. Postou-se em frente ao quadro negro, na diagonal da mesa, numa posição que parecia estudada – como se estivesse buscando seu melhor ângulo.

Sua propalada gentileza e educação no trato com as pessoas foram arranhadas: não deu nem oi e foi direto aos comunicados. Avisou que todos ali deveriam indicar as datas prováveis paras suas provas e trabalhos.
Em seguida, começou a falar, com o giz numa mão e a Constituição na outra. Falou o tempo todo, com breves pausas para risos – ele não faz piadas, mas usa um humor sutil, ferino, que arranca gargalhadas da turma.

Para dominar a audiência, às vezes ele erguia a voz – um recurso que aprendeu com seu pai professor – quando o fez, a voz dele soou mais fina do que o normal, exacerbando o sotaque caipira com seus RRs puxados.

Os gestos dele eram meio teatrais. Postava-se ereto, apoiando os braços nos quadris para inclinar o corpo para trás e jogar o peito para a frente, tipo um movimento de pilates.
Num momento muito Moro ele fecha os olhos e cambaleia, simulando esforço para lembrar a data exata da importação de um modelo inglês de júri. Aí abre os olhos e arrisca: “1831”? Errado: segundo o site Âmbito Jurídico, o Brasil adotou o sistema em 18 junho de 1822.

MÃE CAROLA

Por todos os relatos a personalidade de Sérgio Fernando Moro foi moldada pela carolice da mãe e pelo jeitão autoritário do pai, professores pioneiros em Maringá, cidade fundada em 1950 nos grotões do Paraná.

Ele nasceu em 1º de agosto de 1972, durante a ditadura militar (1964-1985). O país vivia o auge do chamado “milagre econômico”. No período, o pai dele ocupava um cargo público nomeado por políticos da Arena, partido de apoio ao regime militar.

A visão dele do mundo também foi muito influenciada por viver num ambiente irreal: nasceu em berço de ouro, passou a adolescência sem contestar a ditadura e cresceu numa cidade que era uma ilha de excelência se comparada ao resto do Brasil.

A Maringá da época do menino Sérgio foi planejada por arquitetos, financiada por ingleses e construída por um banco paulista, hoje absorvido pelo Bradesco. Foi a cidade mais limpa e mais segura do Brasil (com menos violência do que Amsterdã), e a mais arborizada do mundo.

Os primeiros mil dias do bebê foram saudáveis. Não se sabe o resultado do teste de Apgar dele por conta do manto de segredo que caiu sobre o homem depois da fama.
Sabe-se que ele cresceu sem nenhum achaque, desenvolvendo o físico invejável que exibe na televisão. No país do futebol, não era peladeiro: praticou ginástica olímpica e tornou-se um ciclista de pé cheio.

Uma vizinha de porta por décadas descreveu a família Moro como “estruturada e feliz”. Os meninos (ele e o irmão mais velho, César) tinham uma babá que tomava conta deles enquanto os pais lecionavam.

A vida dos Moro era classe A. Dalton frequentava o exclusivo Country Club, localizado numa área do tamanho de 60 campos de futebol e cujo título hoje custa cerca de R$ 30 mil.
Pai e filho iam sempre de carro de casa para a escola e dali para o clube, onde o professor jogava peladas com os amigos – ninguém lembra ter visto o menino em campo.

Com João Dória, em evento do PSDB: conflito de interesses?
            Com João Dória, em evento do PSDB: conflito de interesses?

PRIMEIRO BUSÃO

Até entrar na universidade Sérgio nunca tinha usado transporte coletivo. Quando o fez pela primeira vez, para ir a uma festa na casa da amiga Rita Agioletto, contou para o pessoal que estava deslumbrado, feliz de andar sozinho num busão. Seus amigos eram como ele e seus pais: 76% dos habitantes de Maringá são brancos, a maioria descendente de alemães e italianos.

Na Maringá antiga, ser professor dava status e dinheiro. A casa da família era ampla e confortável, na frente de um parque sem mendigos – mais tarde, aos 29 e já formado, o juiz Moro até teve dificuldades para descrever a pobreza que não conhecera. Então, escreveu um ensaio jurídico intitulado “Quem são os pobres”. Precisou de 255 linhas para definir aquilo que qualquer brasileiro sabe: pobre é quem não tem bens, nem emprego e ganha salário mínimo.

Dalton e Odete se mudaram para a cidade no final da década de 60, a convite de um cunhado dela, Neumar Godoy, fundador e reitor da Universidade Estadual de Maringá (UEM) – criada no primeiro ato do coronel Jarbas Passarinho como ministro da Educação do general Emílio Médici, em 6 de novembro de 1969.

Os dois começaram no Colégio Estadual Gastão Vidigal, ele lecionando geografia e ela português. O colégio se tornaria o embrião da UEM, da qual Dalton foi um dos fundadores.

CDF EM COLÉGIO DE FREIRAS

Mesmo sendo formada em Letras e lecionando em escola pública, Odete confiou a educação do filho às freiras carmelitas espanholas da escola particular católica Santa Cruz.
Nascida Starke, de origem alemã, ela é muito carola. Hoje aposentada, Odete é ministra da eucaristia da Igreja Matriz, ajudando nas missas e auxiliando inválidos em asilos.

O pai do juiz se dizia apolítico. Ele viveu os melhores anos de sua carreira durante a ditadura, período em que os amigos o descreveram como “conformado”, “protegido” e “satisfeito”. Foi vice-diretor e tesoureiro do Colégio Gastão Vidigal.

O professor Basílio Baccarin dirigiu o Gastão Vidigal nomeado pela ditadura, entre 1970 e 1973, tendo Dalton como vice. Os dois conviveram décadas e as famílias são muito unidas. Ele disse que “o professor Moro era rigoroso, muito justo, um modelo para a comunidade”.
Baccarin descreve seu vice como “muito ativo na associação dos professores, era um autêntico profissional do magistério, mas não participava de atos políticos”.

Dalton foi descrito por outros colegas como obcecado pelo trabalho e pela disciplina. Era duro e usava sua voz potente para submeter alunos bagunceiros: “Bastava elevar o tom”, lembra Baccarin, citando a característica da origem italiana do colega – Dalton era descendente de imigrantes, por sua vez afetados pelo fascismo, em alta na Itália dos anos 20 e 30.

O ex-aluno e depois colega de magistério Elpídio Serra era amigo íntimo de Dalton: “Foi um homem muito sério, cumpridor de seus deveres”, disse.
Serra conhece o hoje juiz como “Serginho”. E diz que seu Serginho “é o espelho do pai: Dalton não era direita nem esquerda, mas sério. Dizia que ‘se está escrito não vou afrontar’. Ele não gostava de inovar. Era metódico e legalista, seguia os regulamentos”.

Serra anotou uma obsessão do professor Dalton com prazos: “A gente ia para um congresso e ele levava provas para corrigir no ônibus. Ele dizia que não iria atrasar, corrigindo tudo antes do prazo, para botar o resultado na parede. Ninguém mais fazia isto, só o Moro era tão exigente consigo mesmo” – note-se que esta é uma das características conhecidas do juiz Sérgio.

O ex-aluno acha que “Dalton passou isto (este nível de exigências) pro Serginho. Passou conceitos de moral, de bons costumes. Serginho é Dalton Moro no passado. Uma réplica”.
Serra enfrentou problemas com a ditadura quando atuava como jornalista e opina sobre o ex-professor: “Dalton, pela maneira de ser, pelos atos, não era um contestador, apenas seguia as normas. Eu nunca vi, enquanto aluno e depois como colega, o Moro dizer qualquer coisa contra o regime militar”.

Na abertura política, Dalton participou da fundação do PSDB, ajudando a eleger ex-arenistas. Impossível saber se ele fez a cabeça do filho, então com 16 anos – só Sérgio Moro sabe quais foram os conselhos que recebeu do pai.

O professor Basílio Baccarin enveredou pela política e registrou a única participação conhecida de Dalton em um partido. Baccarin ligou-se a Mário Covas (1930-2001) e participou da fundação do PSDB em Maringá, elegendo-se vereador (1990): “Moro me apoiou, como amigo. Esteve sempre comigo durante minha campanha e só me dizia que eu deveria ser menos radical”. Baccarin ainda tentou ser deputado estadual, mas lhe faltaram 270 votos.

Baccarin é fã do filho de Dalton: “Fui eu quem fez a faixa “BRASIL ADMIRA SÉRGIO MORO”, levada na frente da catedral de Maringá e do apartamento de dona Odete, com 15 mil pessoas, naquela passeata televisionada no início do ano” – o Brasil inteiro a viu.

Heroi da Globo: na entrega do prêmio Homem do Ano de 2014, com João Robetto Marinho à sua esquerda
Heroi da Globo: na entrega do prêmio Homem do Ano de 2014, com João Robetto Marinho à sua esquerda

CAMINHO DA PERFEIÇÃO

Sérgio Fernando entrou aos 6 anos na Escola Santa Cruz “para receber educação católica”. Os princípios da escola se baseiam nos ensinamentos de duas freiras espanholas, ambas canonizadas, Santa Teresa de Ávila e Santa Joaquina de Vedruna. Em sua obra Teresa gostava muito de citar os mártires da Igreja. Seu objetivo era buscar “o caminho da perfeição”.

Joaquina ainda hoje é reverenciada nas orações dos estudantes da Escola Santa Cruz – ela parece ter recebido um milagre, porque mesmo sem qualquer tratamento químico seu cadáver não apodreceu. Exposta numa urna em Barcelona, surpreende cientistas e deslumbra turistas.

Nos seus 10 anos de educação católica Sérgio sempre foi CDF. Seu boletim só tem O e B, de ótimo e bom. E nenhuma mancha. Colegas o descreveram como “inteligente” e “obediente”, sem notar nada mais expressivo. Apesar de ser uma coisa comum entre crianças e adolescentes, ele não teve nenhuma traquinagem conhecida.

No Santa Cruz, Sérgio fez três amizades duradouras, Lafayete Tourino (agora promotor), Luis Beltrame (professor universitário) e Eduardo Hiroyuki (bancário). Segundo várias fontes, até hoje eles se encontram quando podem e trocam confidências.

Os quatro têm um pacto de silêncio. Tudo o que um deles revelou é que se, note-se, apenas “se”, Moro torce por algum time seria pelo Grêmio Maringá, 86º no ranking da CBF. O amigo não dá certeza – o jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, crava que ele é São Paulo.

Quando Sérgio fez 16 anos os quatro saíram juntos do Santa Cruz para o Gastão Vidigal, em tempo de fazer um terceirão do colégio que tinha excelentes índices de aprovação no vestibular da UEM – não foi possível apurar como se deu esta transferência da particular à escola pública.

Não há registro de que Dalton e Odete tenham lecionado para o próprio filho na instituição. Sérgio passou de primeira no vestiba. Já na UEM, participou como ouvinte de classes do pai.
A vida acadêmica de Sérgio é descrita por quem conviveu com ele só com muito esforço. Não era notado por professores – ao contrário da lenda de que teria sido aluno laureado (aquele que obtém notas acima de oito durante todo curso) na Faculdade de Direito.

A info oficial da UEM diz que não houve laureados na turma de 1995, aquela de SM.
Ele nem sequer era popular na turma: “Ele não era namorador”, atesta um colega. Teria tido apenas uma namorada, uma estudante de arquitetura – os dois romperam quando ele mudou-se para Curitiba, conheceu e em seguida casou com a advogada Rosângela.

O juiz federal Anderson Furlan é o quarto amigo mais importante, além do trio do Santa Cruz. Os dois se conheceram na UEM: “Quando eu fui bixo ia sofrer um trote violento, mas Sérgio me salvou e me adotou como sendo um irmão menor”, lembra.

Furlan viu o amigo passar no concurso público para juiz e ficou surpreso – à época ele Furlan trabalhava como estagiário na Caixa: “Eu queria ser magistrado e perguntei como ele fez para passar. Ele me disse ‘você tem que estudar’ “.

Estudando, Furlan passou para funcionário do Judiciário – quando então foi levado por Moro para assessorá-lo em seu gabinete, antes que o amigo se tornasse ele mesmo juiz.
O juiz Abílio Freitas, vizinho de condo de Furlan em Maringá, também é do círculo íntimo de amigos, formando o trio Moro-Furlan-Freitas.

Os três se encontram regularmente – Sérgio Moro continua mantendo uma rotina de viajar para visitar a mãe e o irmão na cidade natal, ocasião em que invariavelmente encontra Freitas.
Furlan se aventura a analisar a personalidade do amigo: “Ele é muito tímido”, para justificar a conhecida discrição. “O Sérgio não conversa olhando para você”, afirma o juiz.

O lado discreto e humilde do juiz Moro seria tanto que, conta Furlan, anos atrás, quando foi convidado para um aniversário do professor Dalton, foi surpreendido: “O Sérgio fazia aniversário no mesmo dia, mas não contou nada para nós”.

Furlan disse que “Sérgio ainda hoje age comigo como se fosse meu irmão mais velho. Me dá muita dura quando eu apareço na mídia (como presidente da seção local da Associação dos Juízes Federais – Ajufe), me diz coisas como ‘isso você não pode fazer’ “.

O amigo contou que “Sérgio me disse que a Ajufe deveria ter uma postura mais cívica do que coorporativa”. Dá um exemplo: “Uma vez eu fui premiar uma personalidade, fazer um agradecimento público porque ele tinha ajudado ao tribunal. Aí ele me disse ‘tem gente aí (na lista de premiados) que não pode ser homenageada’ e eu tive que cortar esta pessoa”. O nome do vetado por Moro não foi revelado.

Furlan deu uma entrevista para a FSP e “Sérgio me deu uma espinafrada, numa boa, me pediu para não falar mais”. Ele acredita que o amigo detesta o que seriam ‘reportagens laudatórias’. Moro disse pra Furlan que “…(Justiça) é um trabalho conjunto, delegado, promotor, o juiz só defere o que o Ministério Público pede…é apenas um elo.”

O juiz amigo diz que “90 por cento daquilo que o Ministério Público pede Moro acata”. Elogia Moro por “mandar prender gente poderosa”, vê “mérito do Supremo em manter as prisões”.
Furlan é o primeiro incentivador da campanha da Ajufe para obter uma cadeira no STF para Moro: “Pode dizer que eu disse: ele é uma pessoa que reúne todas as condições morais e intelectuais para estar no Supremo”.

Na faculdade, o amigo que hoje o quer no STF não percebeu em Moro nem a vontade de ser juiz: “Ele estudava mais do que todos nós. Acho que isto ele pegou da mãe. Dona Odete não deixava ele sair para brincar sem ler antes uma cota de livros, todos os dias. Mas eu não sabia que ele ia fazer o concurso para juiz, foi uma surpresa. Quando fez e passou, me chamou, mas só quando já era para ver o resultado”.

Furlan participa bastante do lado Caras da vida de Sérgio. Sabe que o amigo já foi a uma festa sertaneja na casa de shows Curaçao, mas o pinta quase como um asceta: “Nunca deu bola para a mulherada, nem fala piadas pornográficas, não usa palavrões”. Contou que Sérgio “namorou uma menina por muito tempo (a estudante de arquitetura), mas eu nunca vi esta pessoa”.

Nas mesas com colegas juízes, notou que “ele raramente fala, prefere ouvir e fazer comentários pontuais”.
Ele acha o amigo zero vaidoso: “Sérgio compra uma camisa Calvin Klein e diz ‘o importante é a pessoa que está dentro, típico dele falar assim’ “. Notou que “ele trabalha sempre com os mesmos ternos e gravatas, deve ter só dois”.

Furlan disse que o amigo usa “as camisas pretas só em ocasiões importantes”, como aquela em que recebeu da Rede Globo o título de personalidade do ano de 2014.
Furlan frequenta a casa dos Moro em Curitiba. Os dois costumam fumar charutos no Shopping Bourbon, “quando bebemos algumas, ele é flex”, significando que o juiz prefere vinhos, mas que também bebe destilados “socialmente, moderadamente”.

Dos velhos tempos ele lembra que a turma zoava do jeito certinho de Sérgio Moro: “Quando a gente saia e tomava uns vinhos contando as histórias dele, ele ria, reagia com bom humor. Mas era um cara inflexível nos princípios dele”, contou, sem elaborar sobre os princípios.

Protesto contra o governo: ídolo da direita
                                 Protesto contra o governo: ídolo da direita

Sérgio Moro desenvolveu um gosto especial por estudos religiosos, compartilhado apenas com alguns juízes mais chegados, em reuniões fechadas. Um colega que participou de um destes encontros disse que ele é capaz de discorrer por horas sobre as diferenças entre cristãos, judeus e muçulmanos. É um especialista em Maomé, mas continua católico como a mãe.

As conversas de política entre os dois, hoje, se acontecem, não foram reveladas por Furlan. Falando de si mesmo, Furlan se definiu como petista na juventude, do tipo que “segura o violino com a esquerda mas toca com a direita”. No momento (falando antes do tsunami das contas na Suíça), se disse admirador do presidente da Câmara Federal Eduardo Cunha (PMBD/RJ) “que está desengavetando tudo, botando as
pessoas para trabalhar. Não entro no mérito, mas no jogo político ele tá ok”.

Última sobre Sérgio Moro: o juiz Furlan disse que “na Justiça, ele não gostava dessas milhares de ações de baixa relevância, prefere poucas causas, mas as boas causas” – fica agora a tarefa de descobrir como foram distribuídos para ele apenas casos top tipo Banestado, Mensalão e Petrolão.

Em tempo: nesta quinta (14) dona Odete atendeu o repórter por telefone.
Ela estava de muito bom humor, mas já começou com a frase “você sabe que não posso falar nada sobre meu filho”.

Papo vai, perguntei se ela não estaria disposta a falar ao menos dos “segredos” do nascimento dele, que não contara à repórter que a visitara em agosto. Dona Odete achou engraçada tanta curiosidade e começou a rir:  “Ele nasceu de parto normal, satisfeito ? ” Pedi mais: “Ele tinha três quilos, foi uma criança pequena”.
Aproveitei a deixa e perguntei pelos números dele nos testes do pezinho e de apgar: “Naquele tempo não existiam”, disse a senhora.

Neste momento dona Odete já estava às gargalhadas ao telefone. Aí ela se voluntaria: “O sangue dele é O negativo”.

Eu ia aproveitar o momento para perguntar…mas ela se antecipou, mais ou menos assim: “Ele não quer que eu fale nada e não vou falar”.
Fim do papo. “Tenha um bom dia”, e desligamos.

Postar um comentário

Bate-Papo vermelhô

Compartilhe

 
Top