por Bolchê

"Amigo" de Ronaldo e amigos cercam Chico Buarque para lhe agredir. Esses rastejantes ainda tem coragem de dizer que o PT dividiu o Brasil. Quem se lembra da casa grande e senzala? Foi o PT? Quem se lembra das capitanias hereditárias? Foi o PT também? O Brasil sempre foi dividido entre pobres e ricos, senhores e escravos, chibata e tronco, entre brancos e negros, entre exploradores e explorados, letrados e analfabetos. O que o PT fez foi minimizar um pouco essas diferenças fruto de séculos de injustiças e preconceitos.

Ronaldo em êxtase com as carícias do "amigo"
A fixação por representações fálicas

















É muito cinismo ou ignorância ou a combinação dessas duas "qualidades", alguns herdeiros das capitanias dizerem que o PT dividiu o Brasil como se desejassem essa mistura, como se quisessem diminuir o abismo social. Mas, assustador é ouvir pobre ruminar o mesmo.

Por isso, quando vemos homens e mulheres, oriundos das classes mais abastadas, defendendo aqueles que defendem os mais humildes e trabalham para garantir um lugar ao sol também  aos menos favorecidos, é algo que realmente nos liberta um pouco mais e que só floresce nos espíritos mais nobres, e essa nobreza de alma independe de classe social, de cor, credo, escolaridade, mas está intimamente ligada a um estágio de maior ou menor evolução mental e espiritual.   

Chico poderia, realmente, estar tocando seu violão em Paris ou em qualquer outro lugar do mundo, de costas para o que acontece no Brasil, mas escolheu, mais uma vez, não se acovardar, mas se posicionar e se colocar pronto para os embates, mesmo quando tornados tão improdutivos e apequenados por esses parasitas sociais.

Chico, tamo junto!

Assista ao vídeo

Postar um comentário

  1. Bom texto, mas não entendi a relevância do cara ser amigo do Ronaldo, e ainda mais, a importância deles "trocarem carícias". Por acaso sua intenção foi tirar sarro de uma possível relação sexual? Esse tipo de comentário inválida todo o seu argumento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Déborah, que bom que gostou do texto. Pra você, talvez não haja relevância nenhuma no fato de um dos agressores ser amigo de Ronaldo, pra nós, sim. Ronaldo, apesar de sua origem humilde, quando teve oportunidade de se posicionar do lado dos mais simples, preferiu apoiar burguês traficante e corrupto, que jamais teve ou terá compromisso com os anseios do povo. Quanto às carícias, faz parte de um argumento indignado sobre esses playboys que pagam de garanhões. O que eles fazem entre 4 paredes, sinceramente, não me interessa nem um pouco. Não precisa se ofender, ok? Não sou homofóbico. Volte sempre!

      Excluir
    2. Realmente, apesar do texto excelente, foi infeliz na colocação aparentemente homofóbica. É preciso conhecer muito bem a história de Ronaldo para compreender que as fotos se referem a homofobia dele e não do autor.

      Excluir
  2. Uns moleques de quase quarenta anos com papo de bêbado atormentando a noite no Chico. Que lamentável!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. O texto foi perfeito, eficiente e claro. Não sou rico, - assalariado -, mínimo. Chico Buarque foi muito democrático, já os parasitas parasitaram uns segundos de fama. Chico, permitam-me a intimidade, não se negou nem mesmo a dar ouvido e voz a quem queria simplesmente atacá-lo. Eles não sabiam, provavelmente, do que falavam. Quem sabe eles abjetos não proporcionaram a Chico Buarque uma oportunidade para mais uma belíssima letra e canção. No Leblon Chico caminha com os cães de minha cidade. No Leblon, Chico caminha nem suja a calçada. Quem dera pusessem bostas, sujariam meu sapato, mas, fizeram pior, sujaram minha mente.

    ResponderExcluir

Bate-Papo vermelhô

Compartilhe

 
Top