O maior programa habitacional já realizado no país, Minha Casa Minha Vida, diminuiu significativamente o déficit habitacional histórico do Brasil. E, se continuarmos nessa pegada, em uma década, teremos conseguido garantir que todos os brasileiros vivam em moradias adequadas. Em 2009, de acordo com pesquisa da Fundação João Pinheiro divulgada em 2010, o déficit habitacional no Brasil estava em 6,49 milhões de unidades.

“Essa toada de produção do Minha Casa Minha Vida, programa que já completou cinco anos, nos permite ousar dizer que em 2024 poderemos acabar com o déficit habitacional”, afirma o gerente de desenvolvimento urbano e rural da Caixa Econômica Federal, em São Paulo, Luiz Guilherme de Matos Zigmantas, que lembra também que, pela primeira vez, a produção de unidades foi maior, inclusive, do que o crescimento vegetativo da população.
Em 12 anos de governo, sendo 8 anos de Lula e quase 4 anos de Dilma, ficou claro que a tônica das duas gestões é o comprometimento com o desenvolvimento, com a geração de oportunidades e com a garantia de direitos a todos os brasileiros, e não apenas de parte da sociedade. E a moradia adequada, é claro, entra na lista de prioridades.

Para um segundo mandato de Dilma Rousseff, a proposta é manter o Minha Casa Minha Vida, mas aprofundar ainda mais o alcance do programa, abarcando outros perfis da população. De acordo com o programa de governo, a discussão hoje é outra porque a tarefa de combater a extrema pobreza, que remonta à criação do Estado brasileiro, foi superada em pouco mais de uma década de governos comprometidos com o objetivo de mudar a realidade social do país.

Hoje, já são 3,7 milhões de moradias construídas pelo Minha Casa Minha Vida e, a partir de 2015, o objetivo será contratar mais 3 milhões de moradias, atendendo não só o déficit identificado em 2009, como também algumas das novas necessidades surgidas nos últimos anos com o crescimento populacional. Ou seja, mais emprego, mais geração de renda e mais moradia digna, além da recuperação histórica no déficit habitacional brasileiro.

Postar um comentário

Bate-Papo vermelhô

Compartilhe

 
Top