Por Valter Xéu* via Pátria Latina em 12/02/2016

Um dos maiores problemas do Brasil são os “especialistas de coisa nenhuma” que se metem a escrever sobre isso ou aquilo sem ao menos ter cuidado de se aprofundar na questão.

Na visão da maioria, até parece que o Brasil só passou a existir a parti de 2002, esquecendo todo um passado onde a nossa economia sempre esteve no fundo do poço e as dívidas internacionais na estratosfera com o FMI ditando o que deveríamos fazer.

Em artigos diversos nas grandes publicações parece que a economia mundial vai bem e nós por incompetência do governo vamos de mal a pior.

Com certeza a maioria tem conhecimento de como está à economia no mundo, com uma Europa falida, níveis de desemprego altíssimos e ai pergunto: foram os governantes, todos eles, incompetentes ou é esse sistema monetário internacional que esta levando todos para o fundo do poço?

Os Estados Unidos estão quebrados.

Com uma dívida sem lastro de 210 trilhões de dólares teve em 2015 um PIB de U$ 17 trilhões e acumulou um déficit de 21 trilhões.

O renomado economista da Universidade de Boston, Laurence Kotlikoff em conversações com os membros da Comissão de Orçamento do Senado norte americano deu um testemunho escrito e oral em fevereiro do ano passado, onde afirmou. “Nossa nação está falida, e não quebrará em 75 anos ou 50 anos ou 25 anos ou 10 anos. Está quebrada hoje“.

Hoje qualquer baixa na bolsa de Kuala Lupur lá pras bandas da Malásia, todas as outras pelo mundo entram em pânico.

Se a China resolve puxar o freio de mão para uma rearrumação na sua economia ou o seu PIB cai de 8 para 7 por cento, o mundo treme, pois toda economia global que é dominada por poucos nessa jogatina maluca termina levando países a bancarrotas como foi o caso agora recente de França onde o seu presidente usando a mídia comunicou aos franceses que a economia do país esta no chão.

Mas para os economistas brasileiros, uma boa parte ligados a especuladores financeiros, e a partidos que estão loucos para pegarem a chave do cofre, alardeiam a quatro cantos que o Brasil está no fundo do poço e isso é culpa unicamente do governo que não soube conter seus gastos e etc.

Nesses últimos 12 anos o sistema financeiro amealhou lucros e mais lucros como nunca no país e assim, palmas para eles.

Bastou a coisa se complicar em 2015, a culpa é do governo e usando isso como argumento com apoio de uma mídia cuja finalidade não é informar e sim desinformar para imbecilizar o povo, com um congresso de políticos imprestáveis e um dos piores da história politica do Brasil e de um judiciário com magistrados loucos por holofotes, tentam a todo custo derrubar um governo democraticamente eleito e para isso transformam um barco de quatro mil reais em uma potente lancha de milhões.

Muitos escrevem afirmando que o Brasil errou em apostar no mercado chinês e esquecem do tempo em que vendíamos quase tudo para os Estados Unidos e bastava qualquer susto em Wall Street, tudo despencava aqui.

O Brasil não depende só do mercado chinês que é o que mais compra no mundo de hoje. O Brasil exporta para Japão, vários da União Europeia, países asiáticos, Rússia, continente africano e mais e mais.

PETROBRÁS

O preço do barril de petróleo está em baixa e isso vem criando dificuldades principalmente para os países produtores, cuja economia depende em muito do produto que exporta.

As companhias petrolíferas, todas elas, estão assistindo despencar nas bolsas de valores em todo mundo os preços de suas ações e todas elas, amargam grandes prejuízos, ate mesmo as empresas dos Estados Unidos, Reino Unido e França que estão no Oriente Médio roubando (essa é a palavra) o petróleo do Iraque, Líbia e parte da Síria controlada pelo grupo terrorista Estado Islâmico.

Mas essas informações os tais especialistas de “porra nenhuma” passam ao largo com os seus comentários diários na mídia golpista que despreza todas as informações corretas, pois o interesse é mostrar que a Petrobrás está em dificuldades em função das maracutaias e incompetência administrativa do governo petista e não pela queda do preço do barril de petróleo no mundo.

Para os EUA, que está na lona, a saída é provocar guerras e mais guerras pelo mundo afora, destroçar países, roubar suas riquezas e vender armas usando a estratégia de vender hoje, e amanhã criar algum incidente com o presidente do país comprador. Vão lá, destroem o armamento, matam o presidente e colocam um fantoche em seu lugar que de imediato compra bilhões de dólares em armamentos e abre o país para as empresas estadunidenses.

É só ver o que aconteceu com Saddam no Iraque, no Afeganistão e com Kaddaff na Líbia que era um país prospero com um IDH altíssimo no Oriente Médio e hoje não passa de um país destroçado onde facções armadas pelos EUA se matam diariamente para a tranquilidade da Haliburto, empresa que tornou-se dona do petróleo iraquiano e da Líbia, de propriedade de Dick Cheney que era o vice-presidente dos EUA na época do tresloucado Bush.

Enquanto isso, para a maioria dos economistas, o Brasil não faz parte desse planeta.

*Valter Xéu é jornalista, editor e diretor dos portais Pátria Latina e Irã News.

Postar um comentário

  1. O Valor em Bolsa da Petrobrás não nos influencia em nada, a não ser que a nossa Presidenta resolva compra-las,já que esta em baixa.Pois o que a Petrobrás tem de débitos, só diminuiu e o que recebe em créditos só aumentou,nessa conta temos um aumento da lucratividade e pelos investimentos, uma produção à longo prazo.Oras,se o preço do petróleo cai e isso se fosse a preço menor do que o nosso de produção,o que não é,compraríamos do mercado,não é o caso.Vendemos praticamente só no mercado interno e com isso, o preço em reais aumentou, logo fatura-se mais.O custo de pagamento de Royalts diminuiu,pois o pagamento é feito com base no preço que caiu, logo diminuíram custos da empresa.Não sei realmente de onde esses especialista vêem um fim do mundo...
    As políticas energéticas de Dilma são irrepreensíveis, digo isso como , ai sim, especialista em Energia pela Unicamp em 87.E teremos um crescimento e diminuição de preços internamente de alimentos e de energia,pelas fortes chuvas nos planaltos mineiros,base da maioria dos principais bacias hidrográficas onde se fundamentam a produção de energia e alimentos.
    Até o problema que o Alkimin desconhece a fonte,o da água no Estado de SP,foi resolvida por Deus,com as chuvas e por Dilma com a obtenção de outras fontes fora desse circuito.
    Bom artigo o seu amigo.

    ResponderExcluir
  2. Só escreveu bosta comuna, cuba que está bem né? Tendo que receber ajua internacional para seus cidadões não morerrem de fome.

    ResponderExcluir

Bate-Papo vermelhô

Compartilhe

 
Top