Um menino conquista o mundo 

Por Camila Moraes via El País em 14/01/2016

Sobram motivos para assistir a O menino e o mundo, belíssimo filme de animação de Alê Abreu (‘Garoto cósmico’), que estreou comercialmente no Brasil em janeiro de 2014, pouco antes de ganhar os principais prêmios da maior competição internacional do gênero, o Festival Internacional de Animação de Annecy



Agora, a produção celebra sua entrada na premiação de cinema mais pop do mundo, Oscar 2016, ao lado de um hit absoluto como Divertida mente, da Pixar. Para melhorar: ela está em cartaz em São Paulo justo neste momento, dentro da programação do festival Buster On Tour no Brasil - Cinema Infantil na Terra dos Vikings (confira a programação aqui).

Sublime, o filme conta a história de um menino que descobre um mundo fantástico, feito de máquinas que parecem bichos (e bichos que são máquinas) e seres estranhos, num cenário de desigualdade social em que famílias muito pobres convivem com outras rodeadas de um luxo desmedido. Tudo isso ele vê com os próprios olhos quando sai de casa, em uma pequena aldeia, para buscar o pai que tanto lhe faz falta. 

“Dizem que é um filme infantil, mas as pessoas de todas as idades se identificam de alguma maneira. Gosto de pensar que é um filme para as crianças que habitam os adultos“, diz o diretor.

Também o torna universal a contagiante trilha sonora, que tem participações especiais de Emicida, Naná Vasconcelos, Barbatuques e GEM – Grupo Experimental de Música. As composições originais são de Ruben Feffer e Gustavo Kurlat, e seguem a inspiração inicial de Alê Abreu para a concepção de todo o filme: a música de protesto latino-americana dos anos 60 e 70. “Eu escutava canções de Victor Jara, Violeta Parra... E me imaginava nos lugares que elas mencionavam. Aí, desenhava algumas passagens e as juntava na ilha de edição, sem um roteiro prévio”, conta o diretor.

Esse mundo e esse menino passeiam diante dos olhos do espectador em imagens ultracoloridas, inspiradas em pintores como Paul Klee e Joan Miró, que também traziam em suas obras a perspectiva infantil, e combinadas nas mais variadas técnicas de animação. 

O resultado é uma explosão de colagens e texturas, que Alê Abreu explica que são ancoradas na ideia de elementos analógicos. Uma curiosidade é que todos os diálogos das vozes foram feitos em português invertido. O objetivo era criar uma nova língua para o filme, tornando-o mais universal.

Cena de 'O menino e o mundo', de Alê Abreu. / Divulgação

Fica claro que essa história, além de poética e artística, é engajada. “É muito lírica, de um bom gosto extremo, mas também muito política. Faz uma defesa da América Latina, toca em temas do nosso desenvolvimento e da nossa realidade”, opina Luiz Bolognesi, diretor de Uma história de amor e fúria, outra animação brasileira a levar o prêmio máximo de Annecy, só que no ano passado. Bolognesi participou em 2014 do júri que escolheu O menino e o mundo, uma produção de menos de dois milhões de reais que concorreu com produções dos Estados Unidos e do Japão que custaram mais de 20 milhões – e estão entre os maiores expoentes da animação mundial.

Pode parecer uma surpresa que a animação brasileira esteja desbancando tamanhos pesos-pesados e vivendo um grande boom. Mas basta olhar com cuidado, e fica claro que não é. “O mundo está encantado com o radicalismo e a autoria dos nossos filmes. Estamos conquistando esse reconhecimento graças ao nosso talento”, conclui Bolognesi.

Postar um comentário

Bate-Papo vermelhô

Compartilhe

 
Top