Por Laurez Cerqueira via 247 em 11/12/2015

Uma bolha, isso mesmo! Foi o que aconteceu na semana, com o acolhimento do pedido de impeachment por Eduardo Cunha.

Foi um alvoroço na Câmara. Cunha, no seu estilo malandro trambiqueiro, aplicou vários golpes na Casa, sob aplausos de Fernando Henrique, Aécio Neves, José Serra, Geraldo Alkimin, Michel Temer, e outros golpistas de plantão.

Derrubou o relator do Conselho de Ética, fraudulentamente formou chapa para a votação dos membros da Comissão Especial que vai analisar o pedido de impeachment, e outras tramoias mais dele.

O mais interessante de tudo foi Eduardo Cunha fazer do Vice-Presidente da República um office boy do golpe. Afinal, Temer é o presidente do PMDB. Presume-se que Temer sabe muito das coisas de Eduardo Cunha e talvez Cunha sabe mais ainda das coisas de Temer.

Nessa balbúrdia, Temer fez até uma carta a Dilma. Que, convenhamos, não é coisa de um político grande.

O fato é que o Brasil está refém de Eduardo Cunha.

Mas o Supremo Tribunal Federal, vendo aquele angu de caroço que se tornou a Câmara nas mãos dos fora-da-lei, tem dado sinais que defenderá a ordem constitucional e as garantias do Estado Democrático de Direito.

Acatou ações que impediram a escalada golpista. Suspendeu o rito fraudulento da escolha da Comissão Especial que vai analisar o pedido de impeachment.

Tudo isso sob aplauso da oposição.

O fato é que essa escalada do golpe institucional causou imensa indignação popular e um gigantesco movimento de centrais sindicais unidas, entidades civil como OAB, CNBB, Fórum de Igrejas, frente de governadores, de prefeitos, enfim, manifestos de intelectuais, de artistas, de universidades e muitas outras entidades, se levantam, organiza grandes manifestações em todo o país, em defesa da democracia e contra o golpe.

Os governadores que assinaram o manifesto contra o golpe e em defesa da democracia estão chamando os deputados dos seus estados e enquadrando todos cujos partidos fazem parte dos governos estaduais.

O resto é especulação, é plantação de notícia pela oposição.

A tentativa de golpe uniu os movimentos. Assim como uniu na luta contra a ditadura, a sociedade se une novamente contra o golpe parlamentar.

Está muito parecido com a campanha das Diretas Já.

Nenhuma entidade da sociedade civil se manifestou a favor do golpe.

Todas até agora estão contra.

Cunha vai ser afastado pelo STF

Não vai ter golpe

Postar um comentário

  1. Seria muito fácil dizer-se e falar-se mal de um safado pela própria natureza, mas, não, veja-se como o cara golpeia a democracia: sistemática e ferrenhamente, como se fosse um seu tabuleiro de xadrez, com as suas peças particulares, a serem dispostas como ele bem entender; ou seja, não passa de um adolpho hitler manipulador de pessoas e de circunstâncias às quais dá a sua interpretação e faz das suas maniqueístas peripécias, numa verdadeira cama de gato, à qual os bichanos do corredor do salão verde se candidatam a próximo servidor. Isso tudo com uma astúcia de mico de circo: é tudo feito parte às claras, parte nas luzes crepusculares, onde estes, como sombras, deambulam de modo a seguir os seus destinos manifestos. Sabem pra onde vão? Pra 6a seção do EB. Se não escorregarem e caírem antes disso.

    ResponderExcluir

Bate-Papo vermelhô

Compartilhe

 
Top