Da Redação

O ex-governador do Estado Tarso Genro comentou, em sua conta no Twitter, as últimas denúncias da Operação Lava-Jato vinculadas na mídia referentes à delação premiada do ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró.

Nos últimos dias, o Valor Econômico informou que Cerveró disse a investigadores que a compra do conglomerado de energia argentino Pérez Companc (PeCom) pela Petrobras, em julho de 2002, “envolveu uma propina ao governo FHC de US$ 100 milhões”. Posteriormente, a Folha de S. Paulo divulgou que o ex-diretor da Petrobrás ligou sua nomeação para um cargo público em 2008, no governo Lula, a um empréstimo de R$ 12 milhões investigado na Lava Jato.

“São incorrigíveis: novas denúncias contra Lula (e Dilma), requentadas, visam fazer ‘esquecer’ denúncias novas contra o FHC”, afirmou Tarso no Twitter. “Não acredito em nenhuma, de delator, seja contra Lula ou FH ou Dilma, antes de apurada judicialmente. Delator quer é salvar a própria pele”, complementou.

O ex-governador, que foi ministro da Justiça no governo Lula, afirmou que o vazamento de informações atende a interesses para criar distrações. “Não se iludam: informações vazadas criminosamente, seja contra um ou outro, é jogo da defesa de alguém para “distrair” Polícia e a Justiça. (…) Isso é feito com cumplicidades de minorias delinquentes, nos órgãos públicos, que usam a imprensa para ‘vender’ informações direcionadas”, afirmou.

Fonte: http://www.sul21.com.br/

Postar um comentário

  1. Eu acho que essa operação Lava jato está na. politicagem maior cata de pau eu sei que alguém no meio desta farofa , está e se dando bem...

    ResponderExcluir

Bate-Papo vermelhô

Compartilhe

 
Top