O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, durante entrevista coletiva, fala sobre regra para aposentadoria (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(O presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Do Socialista Morena

Para tentar desvirtuar o foco das denúncias contra si mesmo, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, aceitou o pedido de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff. Foi o melhor que poderia ter acontecido: Dilma está sofrendo esta retaliação porque o PT anunciou que vai votar a favor da continuidade do processo de cassação de Cunha, vai ajudar a varrê-lo do Parlamento.

O partido atende, assim, às expectativas de seus eleitores e livra a presidenta de uma chantagem. Não se pode fazer acordos com um inimigo do país. Eduardo Cunha representa o que há de mais sórdido na política brasileira hoje.

Esta depuração será muito positiva. Vamos ver quem é que vai ficar ao lado de um político acusado de corrupção contra uma presidente honesta; vamos ver quem é de fato a favor da lisura na política e quem não é. Imaginem: Cunha, acusado de esconder contas na Suíça e de receber milhões de dólares em propina, pretende julgar a honestidade de Dilma, contra quem não pesa nenhuma acusação de corrupção. De que lado os defensores da ética na política irão ficar? Eu já escolhi o meu.

Espero que o Congresso não aceite o impeachment. Mas queria imaginar com vocês o que seria do Brasil se este crápula conseguisse derrubar a presidente, tornando-se o segundo na linha de sucessão depois de Michel Temer (é o terceiro hoje). Ou seja, se acontecesse algo com Temer, ele poderia se tornar presidente da república! Que país teríamos, então?

– Um país dominado pela corrupção, pela sujeira eleitoral, pela barganha, pelos conchavos, pelas chantagens, pelo domínio do poder econômico. Tudo isto é característico de Cunha e de seu grupo político.

– Um país que persegue homossexuais.

– Um país que restringe a liberdade das mulheres e as força a ter filhos inclusive de estupradores.

– Um país que persegue praticantes de outras religiões que não a “oficial”.

– Um país que permite à religião se imiscuir nos assuntos de Estado e na educação das crianças.

– Um país que permite às igrejas confrontar decisões do Supremo Tribunal Federal.

Não parece o Irã? Pois é este o país que Eduardo Cunha quer. Tem projetos dele e do grupo dele tramitando na Câmara com os objetivos citados acima. Que mais este homem, com o poder nas mãos, poderia fazer? Tenho medo de imaginar.

Cunha não é só um político acusado de corrupção. Ele é um político extremamente perigoso, que mistura religião com política. Quando isto acontece, já sabemos no que se transforma um país. É preciso pará-lo já. Primeiro é varrê-lo do parlamento; depois se pensa em impeachment.

O impeachment de Dilma não é nada diante do que Eduardo Cunha representa para o futuro do Brasil. Não é este país retrógrado, medieval, atrasado, que eu quero para os meus filhos. E você?

Postar um comentário

  1. Texto perfeito!Tenho que compartilhar!

    ResponderExcluir
  2. Pergunta é pra se respondida certo? Então na minha opinião eu digo que quero para os meus filhos um país que tenha um governo digno e verdadeiramente comprometido com o seu povo. Porque diferentemente disso, acredito eu que seira um governo ditador. Agora um governo de verdade precisa ter a sensibilidade e a capacidade de promover não só a DEMOCRACIA mas priorizar e prover a qualidade de vida da população do nosso país como um todo e não apenas uma parcela dela ! Infelizmente eu ainda não estou vendo nesse quadro pós impeachment DILMA, nenhum " ser " digno de confiança que possa ter primeiramente moral e depois competência pra conduzir essa locomotiva que saiu dos trilhos e está desgovernada e a beira de um abismo ! 99 % desses que se apresentam como candidatos a candidato carregam nas costas um histórico que não são nada positivo pra ocuparem o cargo ao qual pretendem se candidatar.

    ResponderExcluir
  3. Pelo bem do pais e pela democracia tão duramente conquistada, espero que esse golpe cesse, e todos os golpistas sejam desmascarados e que também sejam julgado pelos seus crimes, ora tão bem acobertados. Dentre eles não há um sequer que tenha decência para presidir esse país. É só buscar o histórico deles nos anais da história. "Não quero ver meus netos apanhado por defender sua escola".

    ResponderExcluir
  4. Pior desgraça é misturar política com religião, aonde tem religião no poder,tanto hoje como em qualquer época da nossa história, tem merda!

    ResponderExcluir

Bate-Papo vermelhô

Compartilhe

 
Top