Quinta-feira, 19 de março de 2015 às 12:58

A presidenta Dilma Rousseff assina, nesta quinta-feira (19), ordem de serviço para construção do BRT Norte-Sul, em Goiânia (GO). Um dos principais projetos de mobilidade urbana do País, o corredor exclusivo para ônibus terá 21,8 quilômetros de extensão e interligará as regiões Sul e Norte da capital goiana. O BRT (Bus Rapid Transit) beneficiará cerca de 120 mil usuários por dia. 

A capacidade de transporte em horários de pico será, em média, de 15 mil pessoas. Após o documento ser assinado, o consórcio responsável tem até 30 dias para começar a obra e a a previsão para a conclusão é de 20 meses.


O BRT terá 93 ônibus operando em quatro linhas, circulando na velocidade estimada de 28 km/h, o dobro da velocidade atual. A frota atenderá 148 bairros da capital e o município vizinho, Aparecida de Goiânia. 

Ao todo, serão 39 plataformas de embarque e desembarque, além de seis terminais.
Segundo o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, o BRT, haverá uma redução de 40% no tempo de deslocamento feito hoje. “É uma mudança significativa. Só quem anda de ônibus sabe como isso é importante. Isso significa sair mais tarde de casa. Voltar mais cedo para casa. Ter tempo para parar em algum lugar para comprar pão, fazer compras, ir ao dentista, ao posto de saúde, para o lazer. Dá para a pessoa fazer muito do que antes ela não tinha oportunidade de ter acesso por falta de tempo”, enfatizou o prefeito.

O coordenador do BRT Norte-Sul de Goiânia, Ubirajara Alves Abbud, diz que o objetivo é proporcionar qualidade, conforto e regularidade do transporte coletivo, atraindo usuários de automóveis. “Nossa expectativa é que, com as pessoas voltando para o transporte coletivo, haja também uma redução de veículos nessas ruas e nesses corredores, o que vai beneficiar não somente o usuário do ônibus como também a pessoa que depende exclusivamente do transporte individual”, afirmou.

Ubirajara explica que o trabalho será feito em vários pontos da cidade, em pequenas extensões para agilizar o uso do transporte público pela população. “Vamos atacar, por exemplo, dois quarteirões de cada vez. Assim, podemos terminar e liberar o espaço para uso público a fim de diminuir ao mínimo os impactos no trânsito local e no acesso ao comércio e de moradores ao longo do corredor”.

O coordenador do projeto destaca ainda o fato de o BRT de Goiânia ser o primeiro corredor no sentido norte-sul da cidade. Como a maioria dos corredores da capital goiana são no sentido leste-oeste, o BRT corrigir essa espécie de desequilíbrio no sistema de transporte.

Postar um comentário

Bate-Papo vermelhô

Compartilhe

 
Top