Pouco a pouco, os fatos vão tratando de desmontar o terrorismo econômico que começou a ganhar impulso já em janeiro deste ano, quando o noticiário dos grandes meios passou a alardear um iminente racionamento de energia elétrica que garantiram que teria que ser feito.
Durante semanas a fio, a “crise energética” era dada como “certa”. Uma colunista da Folha de São Paulo chegou a anunciar uma “reunião de emergência” em janeiro que teria sido convocada por Dilma devido ao “apagão” que sobreviria. Pouco depois, no entanto, descobriu-se que a reunião em questão estava agendada desde o ano passado…
Nos meses seguintes de 2013, o grande mote do terrorismo econômico foi a inflação. Por fatores sazonais e inclusive por especulação, há alguns meses o tomate virou o grande cavalo-de-batalha do noticiário terrorista sobre economia. Ironicamente, agora o fruto lidera a queda de preços.
Em julho, os preços dos alimentos foram os responsáveis pela queda inflacionária e, assim, mais um item do terrorismo econômico caiu por terra.

Ainda restam outros itens desse tipo de terrorismo para promover sobressalto na sociedade, como é o caso da balança comercial. Além disso, pela reportagem que deu a manchete principal de primeira página da Folha desta quarta-feira, vê-se que o jornal não desistiu da inflação.
Apesar de a matéria reconhecer que “Historicamente, a maioria dos alimentos in natura, como hortaliças e frutas, sobe nos primeiros meses do ano, devido ao excesso de chuvas, e caem na metade, beneficiados pelo clima”, a reportagem em questão opõe o velho cacoete adversativo da grande mídia, o bom e velho “mas”…

A certa altura, a matéria parece nutrir esperança de que a inflação volte a subir. O trecho abaixo desperta, mais do que tudo, curiosidade.
Mas, apesar de a queda recente não ter sido suficiente para anular a alta do primeiro semestre –no acumulado do ano, a cesta básica só cai em Florianópolis–, a deflação de alimentos deve perder força nos próximos meses”.
Veja só, leitor: há pouco tempo, estávamos discutindo “hiperinflação” que estaria se materializando e, agora, a mídia propõe que se discuta uma queda menor dos preços… É ou não é do balacobaco?

Por conta disso, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini,  mostrou que a mídia não deve manter esperança na alta da inflação. Segundo ele, “O impacto do câmbio na inflação será limitado e a trajetória de convergência para a meta [de 4,5%] se inicia neste semestre“.
2013, portanto, deverá ser o décimo primeiro ano (oito de Lula e três de Dilma) seguido em que o Brasil terá conseguido manter a inflação dentro da meta do Banco Central, o que o governo Fernando Henrique Cardoso só conseguiu uma vez em oito anos.

O mais incrível é que, apesar do terrorismo econômico, o desempenho do Brasil na economia tem sido excelente. Inflação sob controle, taxas de juros em um dígito, crescimento positivo, desemprego em queda continuada e reservas cambiais na estratosfera.
Além de tudo isso, o Brasil ainda vem conseguindo derrubar a concentração de renda como nunca antes ocorreu na história deste país. A desigualdade caiu 5 vezes mais na era Lula-Dilma do que na era FHC, quando praticamente permaneceu igual.

Há poucos países no mundo que têm conseguido desempenho tão bom na economia. Por conta disso, o mundo se espanta com protestos de rua e críticas na imprensa a um governo que tem logrado tantos êxitos.
Aos poucos, portanto, a sociedade deve começar a refletir que a desgraceira anunciada como fato certo e inquestionável não vem se materializando.
Em julho, pesquisa do instituto MDA feita para a Confederação Nacional dos Transportes deu conta de que dobrara o contingente dos que achavam que o desemprego iria subir – de 10% para 20%. Eis, aí, a explicação para a queda de popularidade de Dilma.

Como se disse aqui anteriormente, o pessimismo esteve na raiz do aumento da indisposição popular com o governo federal e com a sua titular. Contudo, com o progressivo desmonte das previsões catastrofistas, isso deve mudar.
Quem esperava um desemprego maior no futuro próximo vai ver que isso não ocorreu. Quem esperava um surto inflacionário, idem.

Não parece absurdo, portanto, prever que Dilma possa começar a recuperar popularidade nos próximos meses. A frustração das previsões alarmistas, por si só, deve mostrar aos que acreditaram na mídia que as previsões dela não tinham fundamento.
Um fato, porém, já é inquestionável: a materialização da derrubada da inflação contraria todas as previsões da grande mídia de que ocorreria o oposto, que o processo inflacionário continuaria se agravando. Esse vaticínio, com as últimas notícias, está morto e enterrado.

Postar um comentário

Bate-Papo vermelhô

Compartilhe

 
Top